\\ Pesquise no Blog

quarta-feira, 19 de maio de 2010

ESPERANDO GODOT – parceria entre Direção Teatral e EBA (Escola de Belas Artes) da UFRJ

Caros professores,

Achei prudente mandar este e-mail com intuito de deixar registrado o meu ponto de vista acerca da minha situação em relação à parceria com a EBA nesta montagem de Direção VI que estou dirigindo.

Em dezembro do ano passado, a professora Carmem Gadelha encaminhou aos alunos interessados em montar Direção VI em 2010 as chamadas “Regras do Jogo”. Neste mesmo mês, após ter cumprido a disciplina Direção V, comecei a estruturar o meu próximo projeto preocupando-me em seguir exatamente o que havia sido estipulado como regra, ainda que algumas regras não tenham me parecido claras o suficiente.

Numa reunião que os alunos solicitaram uma semana antes da entrega dos projetos, já no final da primeira quinzena de fevereiro, manifestei as minhas questões em relação às regras que estavam confusas para mim. Cabe dizer neste e-mail apenas a principal: a de que não havia nenhuma obrigação explícita em relação à parceria com alunos da EBA. Lembro-me que ao término da reunião, conversando com a professora Carmem e argumentando que já estava em processo com um cenógrafo e uma figurinista que não eram alunos da UFRJ, ela me sugeriu que ao menos eu buscasse na EBA alunos que pudessem entrar na equipe como assistentes. Apesar de ter sido uma conversa informal, lembro-me de sua sugestão por assistentes, porque foi quando atentei para o fato de que se trabalhasse com assistentes da EBA agora, no ano seguinte (2011) quando viesse a me formar, eles poderiam assumir o cenário e o figurino de meu PET.

Foi apenas em 12 de abril que aconteceu a primeira reunião entre alunos-diretores e possíveis alunos interessados da EBA. Nesta reunião, o professor Marcellus, como Coordenador da Mostra, ao ouvir o mesmo relato que escrevi acima, me informou justamente o contrário. Segundo ele a professora Carmem havia dito naquela reunião de fevereiro que eu poderia ter pessoas de fora assinando o cenário e o figurino desde que estes fossem assistentes dos alunos da EBA. Sem dúvida alguma fiquei extremamente surpreso, visto que eu sabia que isso não havia sido dito e, sobretudo, porque se algo tivesse sido alterado, não me parecia justo ter sido informado no meio de abril, já que eu mesmo havia apontado a questão em fevereiro. Tentei argumentar que o problema tinha origem em regras mal definidas e foi então que o professor Marcellus solicitou que eu me desapegasse das regras. E assim, mais uma vez perdendo o ensaio, estive presente na reunião seguinte, na EBA, para tentar resolver a questão.

No dia 19 de abril, na EBA, o professor Samuel Abrantes esclareceu que muitos daqueles alunos haviam ingressado recentemente na Universidade e que poderiam estar em montagens como assistentes. Lembro-me que ao apresentar meu projeto na frente de todos, tive o cuidado de informar que já havia tanto um cenógrafo como uma figurinista trabalhando na minha montagem e que o meu interesse, se possível, seria agregar à equipe novos alunos que desde já pudessem criar um diálogo comigo e, a partir disso, vir a compor a equipe da minha formatura. E então, ao término da reunião, dois alunos de cenografia (uma do 4º período e um do 6º) e uma aluna de indumentária (do 1º período) entraram para a equipe e isto foi deixado claro ao professor Marcellus. Nas semanas seguintes, fechei com os professores Samuel Abrantes e Ronald Teixeira as respectivas orientações de indumentária e cenografia, deixando ambos cientes da minha “questão”.

E agora, a minha situação é a seguinte: não há problema algum entre aqueles envolvidos em minha equipe, o nosso trabalho está acontecendo faz meses. Os alunos da EBA são assistentes e a relação destes com os que “vieram de fora” é aquela que eu como diretor prezo e exijo que exista em todo e qualquer trabalho meu: somos todos seres pensantes e com autonomia para questionar e propor, modificar e sugerir.

Portanto, essa minha fala serve para sinalizar dois pontos que - estes sim - me parecem questões extremamente sérias. 1º) Parece-me extremamente ofensivo e equivocado ver que, dentro da UFRJ, esteja se querendo ensinar que a função de assistente tenha se tornado algo empobrecedor. Não posso acreditar nisso por tudo o que já vivi e continuo vivendo dentro deste curso e fora dele. 2º) Compreendo a necessidade de escuta e “jogo-de-cintura” por parte dos alunos-diretores, mas, certas questões não serão resolvidas de imediato. E certas mudanças abruptas, num processo criacional, podem ser extremamente prejudiciais. É preciso estabelecer com clareza as tais “Regras do Jogo” e amadurecer, em virtude deste agora, as Mostras posteriores.

No domingo, ao conversar com o professor Marcellus via telefone, o que ele argumentou para me convencer de que a minha ficha técnica estava errada era o fato de a EBA ter que estar em primeiro plano. O que significa isso? Que a nossa relação com a EBA então será maravilhosa só porque os alunos de lá não se submetem à função de assistentes de pessoas “de fora”? Perdoem-me, isso é fácil demais. Tira de nós a responsabilidade de ter que efetivamente empreender mudanças. Eu estou, neste momento, começando a construir alguma relação possível com a EBA. Estou trabalhando com alunos de lá, cursando disciplinas com professores de lá e me planejando para cursar disciplinas na EBA no próximo período. Estas sim são medidas que constroem alguma coisa de fato. Mas não me peçam para assinar embaixo de uma relação que, por não conseguirmos concretizar de fato, precisa ser falseada num programa de Mostra.

Estou, sem dúvida alguma, extremamente chateado. E me chateia ainda mais ser motivo de dor de cabeça num momento como este, onde todos estão extremamente atarefados. Já faz mais de uma hora - mesmo - que estou na frente do computador escrevendo este e-mail quando deveria estar cuidando do meu ensaio de amanhã e da reunião posterior que terei com os cenógrafos e figurinistas. Intuo que a minha ficha técnica no programa da Mostra virá com um erro assumido e intencionado. É uma pena, já que eu comecei a esboçar o meu projeto a partir do que vocês exigiram de mim e agora tenho que responder por ter sido correto em relação ao que me foi pedido.

Sinceramente,

Diogo Liberano

Nenhum comentário: