\\ Pesquise no Blog

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

TEXTO # ENCENAÇÃO

          
eu não queria colocar texto versus encenação. o embate entre os dois não quer dizer rivalidade. quer dizer tentativa, alargamento, multiplicação. então, o texto do beckett tentando ser preservado ao máximo. eu reduzo alguns trechos, somo outros, sim, adaptar é escrever texto (quase) novo. paciência. para não querer que o texto diga aquilo que só poderá ser dito pelo movimento. eu não escolhi o texto de beckett para escrever outro. a escritura nova e diferenciada - ainda que vulgar e corriqueira - é aquela que vem pelas atrizes.

então eu digo, aliás, eu coloco num mesmo ringque, o da cena: atrizes e personagens. eu coloco sempre pares. eu coloco encenação e texto. eu coloco alvoroço e silêncio, próximo e distante, pequeno e grande. no meio disso tudo, resta você, o espectador. restam leituras olhares meios de caminhos que eu não completo e que nem quero por eles me responsabilizar. eu pego os extremos e os bato, um contra o outro, faço um ao outro se abraçar. e assim, o meio fica morno, o meio fica potente de ser casa, de ser abrigo, de ser realidade.

M E T A L I N G U A G E M
eu estou me debatendo para encontrar em mim esta necessidade. se para mim a chegada de gogot não é um problema, ou seja, se ele inevitavelmente vai chegar (da forma que for, no tempo em que for, quantas vezes quiser), bom, se isso não é um problema. qual é o problema em questão? ou seja, o que será colocado em questão, o que será adornado feito problema, conflito, dificuldade?
o que se coloca em jogo, em cogitação, em suposição, em teste, é A ANGÚSTIA DA CRIAÇÃO. é colocar as atrizes numa busca por anular a espera, ou seja, atrizes numa busca para anular a improvisação. atrizes querendo ser peça, ser texto decorado, ser intenção medida e ser marca dominada. as atrizes não buscam segurança em cena, não é isso, mas buscam como ser em cena de forma a deixar claro: estamos buscando e mais que isso - NÃO SE LEVANTEM - estamos chegando. a peça está vindo. não estamos (apenas) delirando. estamos indo, quase chegando, os personagens já podem ser tocados, podem ser tocados, podem ser...

elas querem ser teatro. os personagens querem ser encontro. o teatro é encontro. então a busca das atrizes se confunde com a dos personagens. ambas - as atrizes e as personagens - querem fazer chegar. querem o encontro, querem saciar e não mais rodar rodar e rodar em busca do que não vem.


...

está muito difícil. seguir, então...
        

Nenhum comentário: