\\ Pesquise no Blog

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Sexta \\\\\\

As vozes das atrizes ecoam de fora do espaço cênico para dentro. Você é implacável, estávamos contentes… É assim mesmo, mas não é o caso de abandonar tudo o que já foi construído. Estragon pega as garrafas d’água e aposta numa tentativa que só ele sabe qual é. Avança a Vladimir e tenta – pela memória do corpo, pela memória dos movimentos – trazer à cena algo que foi feito em ensaio e que selou o encontro entre os dois, entre os dois atores, entre as duas atrizes, entre os personagens, as personagens, enfim… Nisso, Vladimir amolece e eles se reencontram outra vez.

Então, eis que surge Pozzo, carregando Lucky pela corda amarrado. Desbravando novos caminhos, entram como se estivessem conquistando novas terras. Pozzo alto, Lucky caindo. Didi e  Gogô acham se tratar de Godot. É PPPozzo! Então, têm a atenção voltada a Lucky, que geme de dor e cansaço. Estragon fica em Lucky. Pozzo e Vladimir se estranham. São dois discursos querendo dar conta de um mesmo mundo. Duas propostas de absurdo. Um quer provar uma coisa o outro a mesma coisa, porém, por vias distintas. Pulsão sexual. Garrafas pau de plástico. Tentar ser homem, tentar ser ditador, tentar deter o controle. Elas tentam, o tempo inteiro.

REPETE! Fala o diretor tentando as colocar mais próximas de algo que só elas o sabem. REPETE! Não é implicância, é sinalização de que é preciso ir mais, se esburacar, aprofundar a intenção e a vontade e doar-se inteiro naquilo. Depois de desentendimentos, Vladimir dá o seu discurso. Faz com que ele nasça ali, na nossa frente e ali, na nossa frente, ele o mata. Esgarçando a tentativa até não restar nada exceto a nossa indiferença. Consumimos já tudo, nada resta virgem, alheio ao nosso toque.

REPETE! Pozzo se envergonha e chora, não consegue não chamar atenção. Pozzo não sendo o centro prefere pôr fim à cena, no entanto, Didi e Gogô estão cheios de lágrimas, acabam querendo chorar e é preciso dizer que é mentira, para que eles/elas abandonem a proposta e respirem um instante.

FALTA FAZER COMO SE FOSSE A ÚLTIMA VEZ, CLICHÊ, EU SEI. MAS FALTA ISSO SIM. FALTA ARROTAR, ESTRAGON. FALTA COÇAR O PAU, DIDI. FALTA LUCKY ME CONVENCER DA SUA DOR, SUTILMENTE, COMO UMA ÁRVORE QUE DESPENCA EM CÂMERA LENTA. FALTA POZZO NÃO FAZER POSE. FALTA POZZO ENDURECER A FALA E GRITAR EM GRAVE SOM. FLERTAR COM A ORDEM, FLERTAR COM A PRECISÃO. FALTA VER QUE É UMA BRINCADEIRA. E QUEBRAR A BRINCADEIRA, NO 3:1, EVIDENCIANDO-SE QUE LUCKY CONTINUA SEGUINDO, SOZINHO. FALTA O DIRETOR BRINCAR INTEGRALMENTE, OU SEJA, PEDIR PARA REPETIR TUDO AQUILO QUE JULGAR NÃO ESTAR ADEQUADO.

Nenhum comentário: