\\ Pesquise no Blog

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Espetáculo da jovem companhia Teatro Inominável apresenta quatro atrizes e um diretor tentando montar uma peça de teatro


Estreia no dia 4 de setembro, no Teatro Glaucio Gill



A jovem companhia carioca Teatro Inominável apresenta o seu novo espetáculo, VAZIO É O QUE NÃO FALTA, MIRANDA. A peça propõe uma reflexão sobre o ato de criação de uma obra de arte, no caso, a própria peça de teatro. Tanto o elenco de quatro atrizes (Adassa Martins, Fabíola Sens, Flávia Naves e Helena Cantidio) como o diretor do espetáculo (Diogo Liberano) estão em cena, atados numa busca ininterrupta por aquilo que já se encontra ante ao espectador: o próprio espetáculo.

O processo iniciado em dezembro de 2009 partiu de uma proposta muito específica: se debruçar sobre fontes diversas com o intuito de investigar as etapas do que seria um processo de transposição para a cena dos meandros dramáticos de tais referências. Dentre os materiais usados como estímulos criativos destacam-se ESPERANDO GODOT do dramaturgo Samuel Beckett, filmes como DOGVILLE e CIDADE DOS SONHOS, respectivamente de Lars Von Trier e David Lynch, além do quadro AS MENINAS, de Diego Velásquez.

Frente do programa de porta

Durante boa parte do processo, que durou cerca de sete meses, a equipe esteve num embate contínuo com estas e inúmeras outras referências, produzindo cenas e uma dramaturgia marcada pela exposição do processo de construção do espetáculo. O teatro é o instrumento pelo qual as atrizes tentam se relacionar com o mundo e falar das questões que lhe são caras. A angústia existencial do ser humano é colocada lado a lado com a angústia criacional do grupo de jovens artistas.

O espetáculo começou como um projeto curricular dentro do curso de Direção Teatral da UFRJ, do qual o diretor Diogo Liberano é graduando. Ele pontua: “optamos por matrizes dramáticas que já tivessem alguma reflexão metalingüística sugerida, sobre a qual as atrizes pudessem somar a sua opinião sobre a construção do espetáculo. Assim, VAZIO É O QUE NÃO FALTA, MIRANDA se configura como uma encenação que é a metáfora do nosso próprio processo de criação”.

Verso do programa de porta

Na maioria das obras escolhidas como estímulos para o processo, observou-se um olhar sobre o ser humano marcado pelo absurdo da condição humana, pela angústia e esvaziamento dos valores, resultando num vazio existencial característico do homem contemporâneo. Diante dessa presença por vezes incorpórea, o esforço durante o processo foi o de tirar proveito do vazio, buscando sinalizar para a sua existência enquanto parte constituinte de todo e qualquer ser.

São quatro atrizes construindo cenas numa peça que não se monta de fato, visto que faz parte de sua própria constituição ser pedaço, incompreensão, tentativa. "VAZIO É O QUE NÃO FALTA, MIRANDA acabou virando um estudo sobre erro, tentativa, boicote e sobre o agora. Virou um estudo principalmente sobre os limites e expansões que fazem parte do ato de criar uma obra”, afirma Flávia Naves, uma das atrizes que integram o Teatro Inominável.

Cartaz/Flyer de divulgação do espetáculo

No blog do espetáculo (desesperandogodot.blogspot.com) é possível encontrar o relatório de cada um dos ensaios, além de artigos, vídeos, imagens e reflexões produzidas pela equipe durante o processo. De acordo com a proposta de encenação (também presente no blog), “não há nenhuma história aparente. Nada é dito. Tudo está para ser construído. O sentido de VAZIO É O QUE NÃO FALTA, MIRANDA está na busca do sentido. A peça é uma espera pelo olhar que a habitará e que se completa com a imagem do espectador”.

O espetáculo, que integra a ocupação Câmbio do Teatro Glaucio Gill, é uma aposta em intuições, por meio de um jogo com a linguagem e a exposição de sua própria falência. O próprio título do espetáculo, de acordo com a atriz Helena Cantidio “abre interpretações variadas, pois sugere a existência do vazio ao mesmo tempo em que sugere quase que uma declaração de amor ao vazio, como um convite para que o homem se disponha a jogar e se divertir com tudo aquilo que lhe é falta”.

2 comentários:

Antonio disse...

QUE SEJA O MÁXIMO!!!!!!!!!!!!!

Denis Duarte disse...

Dogville, Lynch, Velásquez... acho que fazer uma peça é mais complicado do que eu imaginava. =)